The End

Cansei de blogar.

Vou curtir outras coisas.

So Long and thanks for all the fish!

Published in: on janeiro 19, 2010 at 6:08 pm  Comments (2)  

I wished on the moon

Faz uns dias que estou com essa música na cabeça, na voz da Billie Holiday:

I wished on the moon
For something I never knew
Wished on the moon
For more than I ever knew
A sweeter rose, a softer sky
On April days that would not dance by
I begged on the stars
To throw me a beam or two
Wished on the stars
And asked for a dream or two
I looked for every loveliness
It all came true
I wished on the moon for you

E hoje fiquei pensando que a letra é o resumo do meu ano de 2009. Fiz bem o que prometi a mim mesma. Foi mesmo o ano do Fail, Ano George Costanza, entre os nomes que fui dando. Me joguei em perspectivas que nunca teria admitido.

Mas ao invés de ficar só calculando, eu fui tateando. Até então, eu só tinha booksmarts. Agora vejo que eu vebalizei desejos que não eram o que desejava de verdade.  Eu tinha necessidade de dar uma resposta pras pessoas. Agora que o que eu desejava era algo que eu nunca conheci, por mais do que eu jamais conheci, e no final, de um jeito torto (o que não poderia ser diferente para quem nasceu pra ser gauche na vida), o que eu tinha desejado era seu eu mesma.

E então, chega de amizades tóxicas, de dar papo pra quem só quer monitorar meus “fracassos” pra se afirmar; chega de agradar pra ter atenção, só pra depois se ressentir pela falta dela; chega de querer controlar as pessoas por não achar que existe outra maneira de fazer parte da vida delas.

Esse ano vou ouvir meus poros, meus vales, meus oceanos. Porque agora conheço-os todos. Esse ano vai ser de calma.

É claro que isso tudo não vem de graça. Decidi deixar minha casa pra trás. Acho que é a hora para voltar dois passos depois de ter avançado cinco.

Passei os últimos três dias inventando o que fazer aqui. Não quis tirar tudo logo de uma vez. Esse é meu lar, e sempre vou lembrar que existiu. Hoje é o último dia mesmo, e resolvi fazer uma faxina. Eu sei que não precisa. Eu sei que ninguém vai ligar. Mas essa é minha casa, meu lar, e eu quero tatear cada centímetro de novo, pela última vez. E eu quero que minha passagem pelo mundo seja assim: tateada, vivida, existida.

Existir dói, machuca, mas me tira do isolamento. E eu tenho que estar sempre um passo à frente do meu little hater, meu sabotador, minha vontade de sumir pra sempre. Por toda a dor e frustração que seja provocada pela máquina de viver, ainda acho que vale a pena.

2010, e todos mais que vierem.

Published in: on janeiro 10, 2010 at 2:40 pm  Comments (5)  
Tags:

Virando Habituê

Graças ao Universo a Eri me chamou pra outra balada. Assim eu tenho assunto pra blog.

Sim, porque esses causos não dão pra serem contados em 140 caracteres ou menos.

Estavam lá, de novo, nossos amiguinhos, Silvio Santos e Hiro Nakamura.

Mas dessa vez, teve participação especial da Cássia Eller, Gretchen e Dr. Silvana.

Ok, claro que a Cássia não estava lá, mas uma mulher muito alterada alcolicamente estava, e fazia questão de subir no palco pra cantar. Era noite de karaoke com banda, só músicas dos anos 80. Da primeira vez, ela subiu para cantar “Toda Forma de Amor”, do Lulu Santos, mas ficou falando que não conhecia a música – quem é que não conhece essa música, meu deus? Aí o tecladista adorou e ficou falando isso em quase todas as músicas.

Ah, e a Gretchen era A Gretchen, a verdadeira, conga-la-conga e tudo. I was starstuck. E o Dr. Silvana tb, eu acho. Nunca tinha ouvido falar.

E, claro, novamente, tiveram que nos expulsar da festa. Eri Super Trooper não arredava o pé. Até o segurança veio perguntar “Desculpe, senhoras, quando vocês vão embora?” Já tinham acendido a luz e desmontado o palco, eu não conseguia sair da cadeira onde estava, e a Eri na maior energia.

Claro que no dia seguinte eu estava morta de cansada, e comecei a ter dor no estômago. Gastrite! Olá amiga, quanto tempo! Estou aqui dobrada em dois com as pontadas que recebo do meu enemy within, meu strombo. Passar mal é chato, mas passar mal sozinha é foda viu. Ter que eu mesma sair às 22h pra comprar remédios, não poder fazer manha e ter que arrumar a casa pras visitas que terei hoje.

E dia 26 tem mais, mas sei lá, viu… Só se a Eri me levar!

Published in: on dezembro 13, 2009 at 12:02 pm  Comments (3)  
Tags:

Cylons, Torradeiras e essas coisas

I’m going full nerd, don’t try to stop me!

Vamos ver se esse ano termina melhor do que começou…

Ah, é, foi meu aniversário na quinta passada. Parabéns aos envolvidos.

Published in: on novembro 30, 2009 at 11:24 pm  Comments (6)  
Tags:

Resilience

Eu ia sair mas acabei de matar uma traça.

Ando combatendo traças desde que cheguei a esse apartamento, e observo o comportamento delas desde então. No começo eu achei que sugá-las com o aspirador de pó bastava, mas o aspirador não era meu, tive que devolver. Pensei em jogá-las no lixo ou na privada, mas fui avisada que elas não morrem assim, vão para a natureza e possivelmente, voltarão.

Aliás parece que cada uma joga mil ovos na natureza, é uma praga mesmo.

Então me aconselharam queimá-las. O problema é a logística da queima. Fico constrangida em admitir que a erradicação das traças está ocorrendo de forma calculada e fria, num esquema meio nazi.

Eu as acumulo em um potinho com álcool, até bolar um plano melhor.

you know how I know you're gross?

(tem muito mais agora)

E hoje eu matei uma traça na sua versão alada. As que eu pego ainda estão num casulo. Elas são umas minhoquinhas que vão subindo a parede até encontrar um lugar pra poder virar a versão alada. O casulo protege elas de tudo, tudo. E o ambiente ao redor for adverso, elas ficam num estado latente até que as coisas melhorem. São frágeis e tem que carregar aquela casinha pra onde forem. Mas estão protegidas. Tudo pra um dia virarem uma versão alada.

Só que a versão alada é meio lerda. Você mata elas muito facilmente, elas são moles e não tem os reflexos de uma drosófila ou uma mosca comum. Agora mesmo, essa traça toda frágil pereceu pela força do meu rodinho de pia.

Mas ela podia voar.

Muita inveja dessa devoradora de livros, pqp.

Published in: on novembro 23, 2009 at 11:42 am  Comments (6)  
Tags: ,

Believe

Lembro uma vez, quando eu era criança, perguntei à minha mãe o que era Dejà-vu, porque achava que tinha tido um. Não sei porquê, mas a resposta foi uma dessas coisas que ficam ressoando na sua cabeça muitos anos depois.

“Você fez acontecer.”

Fiquei pensando desde então que talvez nosso cérebro goste tanto de certezas que adora pregar esse tipo de peça. Isso de nos levar a situações repetitivas pode ser uma maneira de informar o mundo. Só haveria essa necessidade se o mundo fosse informe.

Outro jeito de informar o mundo é criando coisas. Acho que todo mundo tem desejo de informar o mundo.

Na verdade tudo isso que eu tou falando é muito banal, todo mundo passa por isso. Mas nos últimos meses tenho me sentido como se tivesse acabado de sair de um sono profundo. Como se estivesse vivendo numa caverna todos esses anos.

Por anos eu era só vontade, potencialidade. “Acreditar” era uma coisa meio passiva. “Acreditar” era um salto no escuro, algo que deveria ser feito por fé.

Eu não me lembro de me sentir como agora. Não me lembro de não conseguir mais desvincular o acreditar do agir. Só sei que toda hora que me vejo me repetindo nos vícios, tendo um deja-vu um atrás do outro, me sinto ficando mais dura. Dura, condensada, sólida. Como se a cada repetição eu me reafirmasse e me identificasse. Por um lado é bom, pelo outro, não.

Mas agora, a palavra que não se confirma em ação só me deixa anestesiada. O que eu mais queria agora era uma agradável surpresa.

Published in: on novembro 15, 2009 at 9:34 pm  Comments (3)  
Tags:

Pistas do mistério

Fui esvaziar a bolsa que usei pra sair “pra balada” com a Eri e achei isso:

Remains of the night

Aí lembrei de algumas coisas do dia  (noite):

– Hiro Nakamura e Sílvio Santos estavam presentes;

– Eu fui catar o dinheiro que o SS jogou pro alto e a Eri disse “Isso não é dinheiro de verdade”

– Um cara me puxou pro canto e perguntou de duas amigas que já tinham ido embora, e foi embora. Minutos depois ele tava assediando insistentemente uma mulher de mais de 37, que parecia horrorizada com o tratamento conferido. Me senti muito esnobada;

– O DJ mandou a gente embora ao som de “Eu vou, eu vou, pra casa agora eu vou…”

Este post e aquela noite foram patrocinados pelo fundo Eri chan de salvação social de Barus.

Published in: on novembro 7, 2009 at 9:30 am  Comments (2)  
Tags: ,

O Círculo e a Linha?

O Daniel pediu pra eu explicar um conceito da história da arte, estou aqui pensando se faço isso. Talvez fosse melhor fazer um fluxograma ao invés de texto.

Mas pensando em como eu ando lendo livros empoeirados escritos por pessoas já mortas, e vendo o post sobre crianças-prodígio (incluindo o pequeno crítico culinário), fiquei me sentindo meio criança precoce.

Na hora que o menino fala “prosciutto” ao descrever uma pizza, eu lembrei de uma coisa que me aconteceu no domingo passado, em que eu resolvi fazer uma pequena extravagância. Fui no Talho Capixaba e pedi um sanduíche de pastrami, queijo de cabra, rúcula e tomate fresco no pão ciabatta. (Eu que inventei, lá no Talho você pode inventar o sanduíche que quiser com os ingredientes que eles têm). O garçon tascou azeite no sanduiche, ficou um pouco oleoso, mas tava ótimo. Aí eu sento no balcão (pra economizar com os 10% que teria que pagar se fosse pra uma mesa),  e dois velhinhos, que também pediram sanduíches, ficam de olho no meu. Olha, um deles pediu um sanduíche de salmão defumado e pastrami. Chegou um terceiro e falou, “coloca uma rúcula pra ficar mais sensual!” Mas eles se admiraram foi no meu sanduíche. “Você vai ficar comendo isso até terça!” (o sanduíche era grande mesmo). Ficaram todos alegres que eu não ignorei eles. Uma hora eles se distraíram e eu pedi pra embrulhar o sanduiche pra levar pra casa. Aì quando se voltaram pra mim, um deles disse “Já comeu tudo?!”

Me senti em casa com aqueles velhinhos. Não senti como se fossem meus avós ou qualquer coisa, me senti como se estivesse nos albergues de novo. Num lugar onde as pessoas estão compartilhando a mesma disposição à experiência realizada – comer bem, no caso do capixaba; viajar, no caso dos albergues.

E bem, assim minha mente se voltou ao negócio dos latinos-e-mediterrâneos x germânicos-e-nórdicos, o círculo e a linha, o clássico e o romântico, o pitoresco e o sublime, e a dialética ou dinâmica do pensamento ocidental.

Mas agora deu preguiça de explicar. Tá muito quente.

Published in: on novembro 7, 2009 at 9:22 am  Comments (5)  
Tags: ,

Você sabe que está estudando demais quando…

…você acha que o autor está falando com você, diretamente. Não importa se o livro tenha sido escrito em 1988, por um comunista italiano. Ele parece estar respondendo às coisas que andam minhocando na minha mente:

“Não, a vida é naturalmente irracional: racional é o pensamento que se entrelaça à vida, resolve os problemas continuamente colocados por ela, transforma-a em consciência da vida”

(Argan, G.C. Arte Moderna. p. 272)

Ele tá falando sobre como Gropius interpreta a racionalidade e como se propõe a pensar a arquitetura racional (e tudo mais que ele realiza como sendo racional).

” A salvação não reside na razão que faz projetos, mas na capacidade de viver com lucidez a casualidade dos acontecimentos. Tudo se resume a encotrar o ritmo próprio e não perdê-lo, aconteça o que acontecer.” (p. 532)

Aqui ele tá falando do Pollock e seus quadros “respingados”, e também do Jazz.

Dr Argan, tá anotado. É sempre bom conectar-se com alguém, mesmo que este alguém já esteja morto.

Isso dito, chega de estudar. Amanhã vou dar uma pausa. Quando fica pessoal demais, eu fico querendo voltar pra NY…

Rolling with the punches.

Published in: on novembro 5, 2009 at 10:19 pm  Comments (2)  
Tags: , ,

O repeteco

Vi “Dança com Lobos hoje”, e não passou na regra dos 15 anos. Terei eu ficado cínica demais?

Pareceu muito velho. MUITO. Que mundo era aquele que criou “Dança com Lobos”?

Não parece o mesmo mundo que criou “Inglorious Basterds”. Esse que vi e revi depois de ter 15 anos. Tinha menos de 15 anos quando vi Pulp Fiction, sem gostar. Será que hoje eu gostaria? Acho que revi depois dos 15, e não gostei.

Aos 13 eu chorei vendo “Cinema Paradiso”. Chorei que funguei e saiu meleca e foi aquele drama. Por anos continuava chorando ao ver “Cinema Paradiso”. Chorava só de ouvir os violininhos. Agora acho o Toto um belo de um f¨lha da p*ta. (Não é auto-censura, é pra evitar o search engine).

Eu lembro quando era criança e ia ao cinema com minha mãe, ela sempre parecia ter um acesso privilegiado à narrativa. Ela sabia explicar tudo do filme! Sabia coisas que ainda iam acontecer. Eu nunca tinha percebido que acabei passando anos com a sensação que existiam pessoas com um acesso privilegiado às coisas da vida.

Hoje em dia parece mais que tá todo mundo criando seu mundinho particular, e ninguém vive no meu mundo. Os meus problemas são só meus mesmo.

Em Dança com Lobos, tinha sempre um índio muito sabido.

No meu mundo não tem mais índio sabido nenhum.

O meu mundo tá mais pra cada um por si, acreditando na narrativa particular de cada um, as vezes se unindo a outros com objetivos diferentes mas um gosto especial pela sensação de estar vivo.

No meu mundo sou só mais um Inglorious Basterd.

Arrivederci.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.